capa.jpg

Se você procura uma história com muita ação, cenas de tirar o fôlego e uma trama que parece ser simples, mas é complexa em sua proposta, então embarque nessa aventura de ficção científica cheia de aliens, armaduras cibernéticas e uma protagonista com a cara fofinha, mas que na hora da porradaria deixa qualquer marmanjo de boca aberta.

Bem-vindo ao planeta Terra em um futuro próximo, onde alienígenas denominados Mimetizadores, invadiram o planeta e começaram uma guerra com os humanos pelo controle da Terra. Somos apresentados ao soldado novato Keiji Kiriya que acaba de despertar de um sonho no qual ele presencia sua própria morte no campo de batalha no primeiro dia em que entra em combate. Logo após acordar, Keiji começa a notar várias coisas estranhas no decorrer do dia, coisas que ele sente já ter feito ou visto, uma espécie de déjàvu. Durante o dia que antecede ao do combate, Keiji conhece Rita Vrataski, a melhor soldado de armadura da humanidade (sim, eles lutam trajando armaduras de combate que cobrem todo o corpo), dona da alcunha de “a cadela do campo de batalha”, que apesar do peso do seu nome, ela tem uma aparência de uma garota comum de colegial.

Então chega o momento da primeira batalha de Keiji, ele está nervoso, porém confiante, tudo pode acontecer, ele esta disposto a se sacrificar para salvar a humanidade da ameaça dos Mimetizadores, ele está pronto para lutar até cansar, e então… ele morre!!

Sim nosso herói morre em poucos minutos de batalha, mas então eis que ele acorda em sua cama como se tivesse tido um sonho. O que acontece com o soldado é que ele entrou em um loop temporal, no qual sempre que morre ele retorna ao início do dia anterior à batalha, isso no início acaba por enlouquecer ele, chegando até ao ponto dele mesmo se matar antes da batalha, mas nada adianta e Keiji continua preso ao loop. Porém após várias mortes, ele decide usar esse “poder” a seu favor, passando a treinar e cada vez mais se aperfeiçoar, tendo como meta alcançar o nível de combate de Rita ou até mesmo ultrapassa-la. Rita Vrataski também possui uma grande importância para a história e há uma razão bem “peculiar” em relação a ela para ter conseguido se tornar um soldado tão perfeito em combate, mas isso será revelado no decorrer da trama.

All you need is kill teve sua obra completa em dois volumes, no qual o primeiro tem desenvolvimento mais lento, porém bem fluente, mostrando a evolução do Keiji em combate, e a extensão do loop ao qual está preso. Já o segundo volume é mais apressado em sua narrativa, tentando dar um desenrolar mais breve a história, porém como um todo à obra é excelente na sua proposta.

É meio impossível falar desse mangá e não citar um filme que foi baseado no seu roteiro, “No limite do amanhã”. Esse filme hollywoodiano é uma adaptação bem fiel à obra original, tendo um final até que melhor elaborado do que o próprio mangá (opinião pessoal), mas isso não tira o mérito da obra original.

Outro ponto a ser ressaltado é a arte, que é um show à parte, afinal os traços são do mestre Takeshi Obata, desenhista de obras famosas do mundo dos mangás como: Death Note, Bakuman e Hikaro no Go, ou seja, só pela arte ele já se torna mais que obrigatório para a leitura de fãs de mangás.

Como já foi dito acima, All you need is kill é completo em 2 volumes, lançado no começo do ano de 2015 pela editora Jbc, e ainda a mesma lançou no final do mesmo ano uma nova edição em formato mais luxuoso, uma edição única que compila as duas edições anteriores.