É incrível como obras que utilizam uma abordagem infantil para retratar temas adultos conseguem nos chamar atenção. Surfando na onda do sucesso dos brasileiros Bear de Bianca Pinheiro e Laços e Lições dos irmãos Vitor e Lú Cafaggi, só pra citar exemplos, chegou ao brasil ainda nos últimos meses de 2016 a graphic novel A Gigantesca Barba do Mal, de Stephen Collins.

O britânico teve como proposta distinguir dois lugares: Aqui, e Lá (em inglês Here e There; nota a semelhança?). Aqui é uma ilha metodicamente organizada: tudo está em seu devido lugar, todas as casas são milimetricamente iguais, todos andam limpos, muito bem penteados e seguindo sua rotina de modo quase automático. Lá não nos é apresentado, conta-se apenas que é um lugar escuro, estranho, e que consome quem se aventura a visitar.

O motor da trama passa a ser então Dave, um homem comum em Aqui, que vive sua vida de forma organizada, e sem fugir da rotina, até que uma barba começa a crescer de forma assustadoramente rápida, e assusta os habitantes da ilha.

A Gigantesca Barba do Mal é uma obra que carrega em si diversas discussões, é uma leitura que se renova a cada nova visita.

Ao que parece trata-se de uma simples história voltada ao público infantil, que somente agradará aos leitores que se interessam por uma narrativa construída de forma crível. Porém, o grande diferencial está nas camadas que cobrem o grande conflito Aqui x Lá. É uma obra instigante e que a cada leitura aborda novos temas que podem ser discutidos devido à grande possibilidade metafórica dos temas. A princípio nos parece um debate acerca do anarquismo x ordem social, mas passa a ser uma homenagem à rebeldia. Cabe também uma análise mais psicológica, pensando a respeito da loucura peculiar a cada um de nós. Se analisada por um ponto de vista mais freudiano, pode ser entendida como uma metáfora do conflito entre Ego e Id. Onde o Aqui seria o Ego que de tão pressionado pelo ID (Lá) acaba se enfraquecendo e entrando em um estado correspondente a uma psicose, onde há uma sobreposição das vontades de Lá sobre os de Aqui.

A Gigantesca Barba do Mal é uma obra que carrega em si diversas discussões, é uma leitura que se renova a cada nova visita. Um material ímpar, e que se não é um dos melhores, é pelo menos um dos mais diferentes lançamentos.