por Lourinaldo jr

Capa.jpgComo um dos personagens mais criticados dos Novos 52, Superman enfrentou momentos difíceis em seus últimos dias antes de Rebirth. A inciativa da DC comics tem como proposta trazer de volta muitos conceitos do passado, para devolver aos fãs um universo mais familiar. Em Superman Rebirth, o terreno para os novos rumos do personagem e daqueles que compões seu núcleo é preparado nos oferecendo um cenário com bastante mudanças. A sensação de que Rebirth seria um retorno ao passado, uma volta às tradições, pode ter me desanimado no começo, afinal, o que tivemos na DC You durante um ano, foi bastante gratificante para quem busca diversidade em todas as formas nos quadrinhos. Porém, no que diz respeito ao Superman, teremos como também já não é novidade, muitas mudanças que oferecerão essa diversidade, sem que o que os leitores mais querem deixe de ser oferecido.

Esta edição de Rebirth, nos apresenta uma história simples sem muitas novidades diante do que já vinha sendo debatido nos fóruns de leitores e pela imprensa especializada. Começamos com um breve resumo dos eventos que culminaram na morte do Superman, em The Last Days of Superman, contados pelo Superman pós-crise (que neste texto chamarei apenas de Clarck para evitar confusão), que esteve escondido com Lois e seu filho Johnatan, como pode ser conferido em “Superman: Lois & Clarck”, minissérie que trouxe de volta o personagem ao Multiverso DC. Ao encontrar Lana Lang no memorial do falecido herói, um diálogo entre os dois recupera uma parte da história do Clarck, justamente aquela em que ele morre e depois volta à vida. Numa tentativa de ressuscitar o Superman dos Novos 52, Lana e Clack vão à Fortaleza da Solidão à procura do artefato Kriptoniano que poderia trazer o Superman de volta, e constatam que nesta realidade não existe tal artefato.

 

A história deixa claro a importância do legado, há um momento em que um holograma do Superman, ativado pelo DNA kryptoniano de Clarck, exibe uma mensagem que havia sido reservada à sua prima Kara, passando para ela a responsabilidade de assumir o papel ocupado por ele em vida. Há também uma preocupação do atual Clarck, em não interferir nessa realidade onde se encontra, porém, o que vem pela frente se o mundo em que ele vive perdeu seu Superman? O caminho está aberto para que ele retorne, mas parece que não veremos isso muito cedo. Novos substitutos aparecerão, Lex Luthor, Super Woman (Lois Lane), Super Man e Supergirl estarão voando pelos céus desse Universo DC renascido. O velho Superman, aquele que todos queriam de volta, estará por enquanto cuidando de sua família, mas ele deixa claro que tentará encontrar seu lugar como protetor da terra nesse novo mundo que o abriga. Como ele mesmo fala nesta edição “Morrer é fácil, duro é renascer”.

Superman: Rebirth #1

Roteiro: Peter J. Tomasi e Patrick Gleason

Desenhos: Doug Mahnke

Arte Final: Jaime Mendonza

Cores: Will Quintana